João Bosco Millen

  • Série Caixa Preta, 2010

    Série Caixa Preta, 2010

    Acrílica sobre papel
    Dimensões variadas
    2010

  • Série Rosa, 2012

    Série Rosa, 2012

    Técnica mista, óleo e acrílica sobre cobertores e tapetes
    Dimensões variadas
    2012

  • Série Transviados, 2011

    Série Transviados, 2011

    Acrílica sobre tela
    Dimensões variadas
    2011

  • Série Azul, 2011

    Série Azul, 2011

    Acrílica sobre tela
    Dimensões variadas
    2011

  • Série Poesia Imagética, 2005

    Série Poesia Imagética, 2005

    Acrílica sobre papel
    80 x 110 cm
    2005

  • Série Rosa, 2012

    Série Rosa, 2012

    Técnica mista, óleo e acrílica sobre cobertores e tapetes

    Dimensões variadas
    2012

  • Série Transviados, 2010

    Série Transviados, 2010

    Acrílica sobre tela
    80 x 100 cm
    2010

  • Série Azul , 2011

    Série Azul , 2011

    Acrílica sobre tela
    Dimensões variadas
    2011

  • Série São Sebastião, 2010

    Série São Sebastião, 2010

    Acrílica sobre papel
    Dimensões variadas
    2010

João Bosco Millen é mestre em filosofia e estética pela Universidade Gama Filho e possui formação em pintura pela Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

Cada uma das pesquisas visuais empreendidas por João Bosco Millen confirma o elemento nuclear de onde parte sua poética. Trata-se de dizer e redizer, abordando assim por diferentes viéses, a notória questão da contaminação nas sociedades de capitalismo avançado. Não se trata obviamente de um grito ecológico, longe disso. Trata-se, isto sim, de uma reflexão plástica sobre o contemporâneo; afinal, o que define melhor nosso momento histórico do que a contaminação?

O universo dos travestis como o de qualquer minoria, se localiza nas franjas do establishment, este incoveniente portador dos princípios do racionalismo universalista que vem padecendo lentamente desde o fim da modernidade. Suas cores vibrantes, afetação e maneirismos refletem uma rejeição, aversão, eu diria mesmo, ao pressuposto de pureza das cosmogonias latino-germânicas (Platão, Descartes, Kant). Naquele universo, ao contrário da interioridade que rege o solipsismo cartesiano, é no mundo “de fora”, no real, que o ser emerge. As visitas de João Bosco Millen aquele universo convertem-se em poéticas de contaminação ao afirmarem que a gênese do ser ocorre na impureza do real.

Renata Camargo

 

Translate